MOTIVAÇÃO IIII GUARDA CIVIL IIII

terça-feira, 21 de setembro de 2010

GUARDA MUNICIPAL OU POLICIA MUNICIPAL

GUARDA MUNICIPAL, a quem interessa seu descrédito?
A Guarda Mnicipal está inserida no Título V da Constituição Federal, que trata da DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS. Porque defesa do Estado? Porque o Estado pra existir necessita de três elementos essenciais, sem um deles a própria existência do Estado está em cheque! Os três elementos são: Território, População e Soberania. O que venha ser soberania do Estado? Exatamente o Poder de redigir e impor suas leis sobre a população em seu território. Ocorre que o Estado é uma pessoa Jurídica, ou seja, um ente abstrato criado pelo Direito. Ora, como ente abstrato, o Estado, para concretizar suas “vontades” (Leis), necessita da AÇÃO HUMANA DE SEUS AGENTES, ou seja: dos Agentes do Estado. O Estado (Poder público brasileiro, para efeitos administrativo se divide em esferas: União, Estados-membros, Municípios e Distrito Federal. Porém, o Estado (Poder Público) é um só, UNO E INDIVISÍVEL, porém pode ser representado pela União, Pelos Estados Membros ou pelos Municípios. Portanto, um funcionário público municipal é um AGENTE DO ESTADO BRASILEIRO!
observemos, então, que o Guarda Municipal é um Agente do Estado na Esfera Municipal que, por estar inserido no título V da Cosntituição Federal atua na Defesa Do Estado e das Instituições Democráticas, caso contrário não estaria inserido neste Título, assim como os demais funcionários públicos do país ns três esferas do Poder Público.
POr outro vértice, verificamos que o Título V da Constituição Federal possui apenas três Capítulos: Capítulo I – Do Estado de Sítio; Capítulo II – Das Forças Armadas e, Capítulo III – Da Segurança Pública. Portanto, o Título V cuida das convulções internas (Estado de Sítio); cuida da defesa de nosso Território contra inimigos externos (Forças Armadas) e cuida da DA ORDEM PÚBLICA e SEGURANÇA DO CIDADÃO, no Capítulo da Segurança Pública. A Guarda Municipal está inserida extatamente no Capítulo: DA SEGURANÇA PÚBLICA, DENTRO DO TÍTULO: DA DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS.
Pois bem, Dentro do Capítulo da Segurança Pública o Artigo 144 prescreve que a Segurança Pública, direito e responsabilidade de todos, É DEVER DO ESTADO. Daí resultar o discurso que segurança pública, por ser dever do Estado é dever exclusivo das Polícias Civis e Militares. Ocorre que a palavra ESTADO inserido no artigo 144 não se refere a Estado-Membro, ou seja, Estado de Santa Catarina, Estado de São Paulo, etc. Se refere a ESTADO-PODER PÚBLICO. è dever do Poder Público atraves das suas esferas político-adminstrativas, União, Estados-membros, Municípios e Distrito Federal prover a segurança pública.
A Questão é: como saber se Estado se refere a Estado-membro, logo policias estaduais, ou Estado-Poder Público, portanto dever de todas esferas administraticas do Estado? É Simples: Basta ler com atenção o artigo 144 onde enumera as entidades responsáveis pela segurança pública, onde se vê: Polícia Federal, Polícia Federal, Polícia ferroviária Federal, Polícias Civis, Polícias Militares, Corpos de Bombeiros Militares e, no parágrafo oitavo do mesmo artigo, Guardas Municipais. Ora, bem sabemos que a Polícia Federal, não pertence ao Estado- Membro. Portanto, o artigo 144 se refere às três esferas do Poder Público: União, através das Polícia Federal, Dos Estados-membros, através das Polícias Estaduais e dos Municípios através das Guardas Municipais.
Não poderia ser diferente: SEGURANÇA PÚBLICA É RESPONSABILIDADE DE “TODOS” SEM EXCEÇÃO!
Por outro lado, note-se que a Guarda Municipal é o único funcionário público municipal nominado na Constituição. E dentro do Capítulo SEGURANÇA PÚBLICA!
POrque excluir o Guarda Municipal do contexto da Segurança Pública? Qual interesse das polícias estaduais? Afinal, como anda a segurança pública em nosso país?.
O Guarda Municipal, bem treinado e equipado, atua exatamente na órbita da SOBERANIA DO ESTADO, ou seja: fiscalizando e impondo a obediência às Leis do Estado. Observe que um Guarda Municipal em ação, assim como as demais polícias, É O ESTADO EM AÇÃO IMPONDO SUA SOBERANIA, daí a ação do Guarda dever estar respaldada pela Legalidade, necessidade, proporcionalidade e respeito à dignidade humana. (assim como a ação dos demais órgãos policiais). Um Guarda Municipal quando falha, é a SOBERANIA DO ESTADO que está falhando, e como vimos acima, faltando um dos três elementos essencias do Estado, Território, população ou soberanis, a própria existência do Estado está em cheque!
Daí outra questão surge: GUARDA MUNICIPAL TEM PODER DE POLÍCIA?
Poder de polícia é um PODER DO ESTADO (poder público. Trata-se de um poder administrativo que permite ao Estado, através de seus agentes, contrariar interesses individuais ou coletivos benefício da sociedade e em defesa do próprio Estado. Portanto, Poder de Polícia não é “DA” Polícia, até porque as Polícia não tem poder algum, tem sim, FUNÇÃO, COMPETÊNCIA! Poder é sempre do Estado-Poder Público. Poder de polícia é um PODER DO ESTADO e este INVESTE em seus agentes para que possam IMPOR a SOBERANIA DO ESTADO, caso contrário a própria existência do Estado está em cheque!
CONCLUSÃO: O Guarda Municipal, como agente do Estado na esfera municipal está investido do Poder de Polícia para que a Soberania do Estado seja imposta sobre a população em seu território visando a manutenção da ordem pública para o bem comum da sociedade.